4 – Society


PODCAST
 

Olá pessoal,

Nesta edição, falarei sobre a banda Pennywise.

Pennywise – Uma Breve Biografia

1988 – A banda foi formada em Hermosa Beach – L.A.
O nome Pennywise, foi inspirado em um personagem do livro “It” (A Coisa) de Stephen King.

1989 –
Lança o EP “Wildcard / A Word From The Wise”, contando com uma versão (cover) bem diferente da música “Stand By Me“. A banda assina com o selo Epitaph Records (de Brett Gurewitz, guitarrista do Bad Religion).

1990
– Já pela Epitaph,  lança seu primeiro álbum com o próprio nome da banda: “Pennywise”
Jim Lindberg (vocalista), deixa a banda logo após a gravação, para se casar e sem planos de retornar. Jason Thirsk (baixista), assume os vocais e Randy Bradbury (que era o “professor” de Jason), entra na banda como baixista.

1992 –
Jim Lindberg retorna à banda, após insistência dos outros membros.

1993 –
É lançado o álbm “Unknow Road”.

1995 –
A banda tem uma boa divulgação em outros países, recebe convites para participar de gravadoras maiores, mas recusa.
Neste mesmo ano, é lançado o álbum “About Time”.

1996 –
O baixista Jason Thirsk, deixa a banda para tratar de seus problemas com alcoolismo, apesar do tratamento ter sido bem sucedido no início,  Jason teve recaídas e acabou se suicidando com um tiro no peito em 29 de Julho de 1996.

1997 –
A banda lança o álbum “Full Circle”, contando agora com Randy como baixista e membro permanente da banda (assumindo o lugar de Jason)
1999 – É lançado o álbum “Straight Ahead”

2000 –
Gravam um álbum ao vivo, chamado “Live At The Key Club”.

2001 –
É lançado o álbum “Land Of The Free”, influenciado pelos protestos de grupos antiglobalização e eleições dos E.U.A.

2003 –
É lançado o álbum “From The Ashes”. Este foi marcado pelo falecimento inesperado do pai de Fletcher, que afetou o guitarrista e a rotina do grupo.
2005 – Lançam o álbum “The Fuse”.

2008 –
É lançado o álbum “Reason To Believe” e a banda continua na ativa…

Como conheci a banda e algumas lembranças
 
Pennywise é, sem dúvida, uma das principais bandas responsáveis por eu gostar de Hardcore. A conheci no final dos anos 90, na época, era algo totalmente diferente de tudo que já tinha ouvido no rádio. O som rápido e direto, os riffs, tudo isso me contagiou.
Se não me engano, a primeira música deles que ouvi foi “Bro Hymn”, numa fita K7.
Hoje em dia, temos muita facilidade de conseguir não só vídeos, mas músicas em MP3, o que é bom para conhecer bandas novas. Mas naquela época, havia uma coisa que, sinceramente, tenho saudades: as fitas K7 que passavam, de mão em mão, com compilações de várias bandas. Havia muito dessa troca de informação, tinha muita coisa rara que só conseguia ouvir através destas fitas que pegava emprestadas e copiava dos amigos.
No rádio, aqui em São Paulo, a única opção para ouvir músicas de Punk e Hardcore (nessa época) era um programa na Rádio Brasil 2000, chamado Skabadabadoo. Sempre tocavam Pennywise e outra bandas boas, era só começar o programa, que eu já corria para colocar minha fita K7 no som, à espera de alguma música bacana para gravar. Pois naquela época, vale lembrar, a internet não era tão popular e não tinham álbums de bandas underground para baixar, mal existiam mp3 disponíveis.
E é claro: eu não tinha acesso nenhum à internet. Sem contar que, nas lojas convencionais não haviam CDs dessas bandas, geralmente só se encontrava esse material na Galeria do Rock (uma espécie de “Shopping do Rock” aqui em SP), mas mesmo assim, só se encontravam CDs importados que, por sinal, eram caríssimos.
Depois de juntar uma grana, consegui comprar meu 1º CD do Pennywise, o “Straight Ahead” de 1999. Ouvi demais (e ainda ouço)  este CD! Sei que posso parecer muito saudosista, mas naquela época era mais legal apreciar um som de um CD, pois eu chegava em casa, tirava a proteção plástica, via o encarte com as ilustrações, fotos, agradecimentos. Colocava o CD no aparelho de Som e ficava deitado no sofá, ouvindo as músicas, uma a uma, acompanhando suas letras.
Lembre-se, naquela época, era preciso ter o encarte do CD original para ver as letras, não era como hoje onde basta entrar no site de letras e procurar o nome da banda.
Hoje em dia, apesar dos benefícios da internet, acho que no geral, damos menos valor as bandas e seu CDs, pois como temos acesso a muita informação, acabamos dedicando menos tempo para apreciar os CDs que compramos, isso quando compramos! Antes, eu levava mais de 1 mês para comprar 1 CD original, hoje, em algumas horas, posso baixar a discografia inteira da banda. Resumindo, a velocidade que recebemos a informação é muito maior do que a velocidade que temos em consumí-la. Eu ainda compro CDs originais, tenho muitos, mas quando vejo que o preço é abusivo, não compro.
Voltando a falar de Pennwise, depois de comprar “Straight Ahead”, comprei: Land Of The Free, Full Circle, About Time e Pennywise, gostei de todos eles.

Bro Hymn e Bro Hymn Tribute
A música Bro Hymn, é um verdadeiro hino do Pennywise, qualquer moleque que curte hardcore e começa a tocar guitarra, com certeza, já deve ter feitos os 4 acordes desta música. Seus riffs e seu coro são inesquecíveis! A letra desta música fala sobre amizade e também é dedicada aos amigos que se foram, no caso: Canton, Colvin e Nichols
Reparei que no Cd “Full Circle”, havia uma outra versão desta música, mas desta vez com o nome de “Bro Hymn Tribute”. Esta versão, mantém basicamente esta letra, trocando apenas Canton, Colvin e Nichols por Jason Matthew Thirsk, que é o nome do baixista da formação original da banda que se suicidou em 1996.
Segue a letra traduzida:

Bro Hymn Tribute (Hino da Irmandade – Tributo)
Tradução: Digão
Revisão: FrankCastle
“Para o nosso amigo
No presente, do passado e além disso
Embora você não estivesse conosco por muito tempo
Sua vida é a coisa mais preciosa que nós poderíamos perder
Enquanto você esteve aqui, a diversão nunca teve fim.
Rir por um minuto era só o começo
Jason Matthew Thirsk, essa é para você
Sempre tive o sentimento de que você não poderia partir
Apenas relembre de qual lado você está
Você teve amigos com você até o fim
Se você está sempre numa situação difícil
Nós estaremos aí sem hesitar
Irmandade é nossa regra, Nós não podemos desistir
Quando você estiver sentindo muito perto do fundo
Você sabe com quem contar
Alguém vai levantá-lo novamente
Nós podemos conquistar qualquer coisa juntos
Cada um de nós é unido para sempre
Se você morrer, eu morro, este é o caminho
Para o nosso amigo
No presente, do passado e além disso
Embora você não estivesse conosco por muito tempo
Sua vida é a coisa mais preciosa que nós poderíamos perder
Enquanto você esteve aqui, a diversão nunca teve fim.
Rir por um minuto era só o começo
Jason Matthew Thirsk, essa é para você
Confesso que depois do CD “From The Ashes”, não acompanhei direito os últimos trabalhos do Pennywise, mas ainda curto muito a banda. Apesar da mudança na sonoridade, parece que eles continuam com a mesma energia e com os mesmos princípios de sempre. O fato da banda ter caído no gosto popular, não tira seu mérito.
Vamos agora ao clipe da semana: “Society”, também do álbum “Full Circle” de 1997.
Eu poderia até tentar falar sobre esta música e clipe, mas seu nome e imagens já dizem tudo!”

PODCAST

Download


LINKS:

Artigo na Wikipédia sobre Pennywise:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Pennywise

My Space da banda:
http://www.myspace.com/pennywise
Site sobre a banda:
http://www.pennywisdom.info/

 

5 respostas para 4 – Society

  1. Elber disse:

    haha pennywise! q banda velho!

    pow…eu era assim tbm manu….vivia com fitas pra gravar as bandas no skabadabadoo ^^
    tbm tinha o tarja preta do joão gordo na 89 q tocava coisas lindas…tipo 7 seconds , rancid, pennywise, nofx, F minus *_* foda F Minus *_*

    conheci pennywise em 2000 num game de skate do playstation, o MTV sports skateboard ^^ tinha might be a dream ^^ haha consegui comprar o land of the free no shopping plasa por uns 20 paus uns 2 anos depois do lançamento ^^

  2. Elber disse:

    e ler o encarte do cd ainda eh uma das coisas q eu + aprecio ^^ quando compro cd hauahuah ultimamente num compro +
    as bandas q eu curto soh tem cds na versão importada na galeria…ai eu tenho q me sujeitar ao mp3 =/

  3. Jefferson disse:

    Pennywise sim, MUITO bom.

    Uma pena o vocalista ter saído da banda:
    http://whiplash.net/materias/news_872/094620-pennywise.html

    Não cheguei a gravar em fita k-7, mas tenho um amigo do Rio de Janeiro que ouvia o programa do João Gordo e ficava gravando, o Tarja Preta.

    • FrankCastle disse:

      Caramba meu!! Dessa eu não estava sabendo, apesar de gostar da banda, não estou acompanhando muito eles desde o From The Ashes, que coisa!

      Mas o Pennywise deixou muito material bom para nós.

  4. […] gosto músical continua o mesmo, indo do Ska-Core, Punk, Hardcore até o Crust e Grindcore. Desde a última postagem, conheci algumas bandas novas que provavelmente […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: