Uma Análise sobre Pirataria nos Games

 

Pirataria

por DU

Antes de iniciar, deixo claro que o que escrevi abaixo é fruto apenas das minhas concepções e vivência, são opiniões. Não fiz nenhuma pesquisa científica, nenhuma estatística, e nem sou jornalista (uia :-)).

Todos, cedo ou tarde, acabam discutindo sobre pirataria. Depois de ler vários blogs e revistas ao longo desses anos, chegou a hora de dar meu parecer. Posso futuramente mudar de opinião.

Existem três tipos de consumidor de piratas:

– Aqueles que não agüentam ficar sem jogar os dez lançamentos do mês, todo mês;

– Aqueles que não tem condição financeira alguma para comprar original;

– E aqueles que até poderiam comprar original, mas não conseguem por falta de acesso (eu).

O primeiro tipo é um caso que, mesmo com jogos originais custando R$ 20,00, ele compra o pirata porque custa R$ 10,00 (e assim sobra mais R$ 10,00 para levar outro pirata ou para gastar com outra bobeira à toa).

O segundo caso é realmente aquele que ainda mantém um único console (geralmente o PS2) e mal consegue comprar controles adicionais. Este poderia até comprar original, caso fosse barato o suficiente.

O terceiro tipo geralmente entende bem de games, se esforça para comprar originais, mas nem sempre encontra, devido aos entraves do mercado, como falta de publicações dos jogos no país, valores injustos, concorrência de menos (eu, talvez).

Acredito que já vivi cada uma dessas fases. Atualmente, gostaria muito de manter uma gameteca com títulos originais e meus próximos consoles serão bloqueados, para evitar qualquer chance de me entupir com piratas que nunca jogarei.

Mas, aqui no Brasil, nem tudo é culpa da pirataria ou impostos. Falta VONTADE das produtoras de venderem por aqui. Um caso emblemático que aconteceu comigo foi tentar comprar dois jogos originais novos para PS2 que gosto muito. Saí com o dinheiro em mãos para as principais lojas da cidade e simplesmente não encontrei nenhum dos dois. Isso mesmo! Não encontrei os jogos. Depois procurei em lojas on-line e novamente não encontrei.

Mas gastando apenas alguns segundos na net encontram-se dezenas de cópias. Nunca pensei que comprar produtos de qualidade e manter-se dentro da lei fosse tão trabalhoso. Eu realmente criticaria as cópias ilegais caso estas fossem mais difíceis de se obter, mas além de mais baratas, as cópias ilegais são abundantes. Fica difícil comprar o original quando ele não existe mais para venda. Cadê o respeito pelo consumidor? (que muitos clamam, mas no final optam para o que é ruim e afundam cada vez mais o Brasil comprando coisas ilegais)

Posso dizer com orgulho que, em meio de muitos jogos piratas, tenho muitos outros originais. E como comprei o PS2 recentemente (em 2008), minha idéia era comprar um Xbox 360 ou um Wii e assim poder jogar também os grandes títulos do SNES e Gamecube, devido a sua total retro-compatibilidade. Seria um ótimo 2 em 1.

O dilema é o seguinte: Como não se fabricam mais jogos de Gamecube, tenho duas alternativas. Uma é a pirataria. A outra são os usados.

Atenção: nem a pirataria nem a comercialização de usados ajuda o fabricante, pois o jogo só dá lucro na primeira venda, certo? Já com a pirataria, é ilegal, pois se trata de uma violação de direitos autorais. Hoje, a grande maioria baixa jogos piratas da Internet e grava, não colaborando com o crime organizado como alardeiam por aí.

Mas este dilema já foi superado, e eu realmente decidiria comprar um Wii bloqueado, com games usados do Cube. Mas tenho medo de comprar jogos riscados ou avariados de alguma forma. De qualquer forma, a popularização dos sites de leilão ajuda a comprar os de segunda linha.

Se a pirataria é tão prejudicial para o nosso mercado, por que temos jogos de PC originais abundando nosso mercado há quase duas décadas? Alguém se arrisca a responder?

E vamos falar a verdade, o PC é a plataforma mais fácil de se jogar cópias ilegais, pois não depende de hackear o hardware. Por isso, acho que esta história de que a pirataria inibe as empresas é em grande parte balela. A expansão do mercado é inibida sim, pelos altos impostos ou por uma grande burocracia para trazer jogos. Os jogos de PC custam de R$ 10,00 à R$ 100,00. Muitos dos jogos piratas que joguei eram jogos que não foram distribuídos por aqui.

Mas uma coisa é certa, essa galera toda que consome originais e piratas querem é jogar na maioria das vezes, nem ligam para o encarte ou para o CD em si. Dêem jogos a preços acessíveis e todo mundo comprará. Se até a irmãzinha do gamer compra The Sims original, é porque The Sims é encontrado facilmente em qualquer loja de games, informática e hipermercados, por um preço justo. Ela não está interessada se o jogo é pirata ou original, ela só quer jogar da maneira mais rápida. Como a distribuição e o preço do jogo original são bons, a menininha leva o original.

Isso tudo não tem nada a ver com conscientização, é pura lei de mercado, a oferta e demanda.

É Pirata Psiiit!

Para finalizar, eu gostaria de postar aqui algumas frases que considero pura hipocrisia:

– Jogos piratas prejudicam o mercado.
Tá certo, mas também tá errado! Altos impostos e proteção do mercado prejudicam o próprio mercado de games. Os jogos originais de PC são muito bem vendidos por aqui, principalmente pelo preço e facilidade de distribuição. Você os encontra nos supermercados, lojas de informática e até em bancas de revista. Detalhe: Jogos de PC são os mais fáceis de copiar, pois não necessitam de hacks de hardware. A China e outros países emergentes possuem os mesmos problemas de pirataria e estão na nossa frente no mercado de games de console. Para falar a verdade, o acesso fácil e barato aos jogos, proporcionados geralmente pelas cópias ilegais, estimula o comércio de revistas, consoles e acessórios em geral.

– Não tenho dinheiro pra comprar original!
Muitas vezes é uma mentira e desculpa para tomar cachaça ou ir fazer outra besteira. E tanto é que, na maioria das vezes, quem compra jogos piratas compra vários de uma vez. Gastam-se R$ 50,00, no mínimo. A maioria dos jogos comprados são uns lixos. Economize e compre um original de qualidade.

– Faço minha parte, compro usados.
Adquirir produtos usados não é crime e é uma boa opção , mas prejudica os produtores igualmente, pois eles só ganham na primeira venda. Para desestimular tal prática, alguns jogos já estão sendo lançados com conteúdo exclusivo somente para o primeiro dono. Isso sim, eu considero crime.

-Tenho dinheiro e compro piratas sim, porque as desenvolvedoras estão nadando no dinheiro.
Tudo bem, só não reclame quando seu jogo preferido não sair mais devido à corte de gastos. Ou pior: devido à falência da empresa. Os chorões que reclamavam da SNK ter falido não abriam mão dos emuladores de Neo Geo. Se você não consegue lucrar, fica sem dinheiro para fazer as coisas isso é questão de entendimento

– Acho um absurdo pagar R$ 230,00 reais num jogo (God of War 2). Se fosse uns R$ 30,00, eu comprava.
O jogo de estratégia nacional OutLive foi lançado na época custando 20 reais. Vi nos blogs e em fóruns um monte de gente que disse que baixou o jogo da Internet. E olha que além de ser um jogo Nacional, foi fabricado em Curitiba – PR – Brasil ! ! Ora, o pessoal não tem dinheiro para comprar original, mas compra computadores de mais de R$ 2.000,00.

Esse é um mundo de pessoas contráditorias cara, às vezes se fala em fazer o bem, mas muita gente só quer o mal, dane-se!

eyes of orient
Falou aê Psit!

DU

Links Relacionados:

Meio Bit Games: Valve: Bons jogos diminuiriam a pirataria


12 respostas para Uma Análise sobre Pirataria nos Games

  1. FrankCastle disse:

    Pessoal, sempre troco vários e-mails com o Du e um deles foi tão bom, que achamos que ficaria legal no blog. Então, a partir de agora, o Du faz parte da equipe do blog e terá sua própria coluna.

    Seja bem vindo DU!
    E parabéns pelo excelente texto, você falou com muita propriedade sobre este assunto que é tabu para muita gente. Vejo que você sempre tenta comprar jogos originais, mas para isso muitas vezes tem que se sujeitar a encomendas de games importados, que são caríssimas e demoram para chegar.

    Isso mostra que você realmente quer ter produtos originais, mas infelizmente é difícil de se fazer a coisa certa no Brasil. Deve ser mesmo muito frustrante sair com o dinheiro na mão para comprar um jogo original e não encontrar para vender em lugar nenhum. E sempre passando por vários lugares onde você encontra facilmente o jogo pirata, isso é triste.

    Nos EUA, você pode comprar jogos nos Hipermercados, junto com suas compras do mês no maior conforto, mas infelizmente no Brasil, ainda temos isso de forma extremamente limitada!

    Eu lembro que há muito tempo atrás, comprei o Outlive original na Fenasoft (uma feira de informática), paguei pouco mais de R$ 20,00. Fiz questão de comprar o jogo, não só porque era brasileiro, mas porque era muito bem feito e tinha uma temática futurista, que tanto gosto!

    Obrigado pela sua contribuição e o blog estará sempre aberto para você enviar seus artigos e análises, não só de games, mas de qualquer assunto que você quiser!

  2. Que foda, o DU virou blogueiro !!!! Parabéns pela matéria cara, aguardamos as próximas com ansiedade🙂

  3. Val°Deir disse:

    Porra Du, falou é disse! tem razão..
    No final do post quando você diz:

    “Esse é um mundo de pessoas contraditórias cara, às vezes se fala em fazer o bem, mas muita gente só quer o mal, dane-se!”

    resume tudo perfeitamente, o que é, assim que são as pessoas hoje em dia, a incivilidade que se torna pratica, onde o malandriusom quer se da bem, dane-se os outros, se você faz o correto você é trouxa.. agente tava discutindo isso ontem no curso de ilustração referente a uma matéria da folha escrita pela Rosely Sayão onde ela fala sobre: “Bullying” e incivilidade, e como a sociedade se volta pra isso, como cada um faz o que julga o melhor para si sem considerar o bem comum..
    Vou deixar o link da matéria no final do comentário pra quem se interessar, que não tem nada a ver com pirataria ou videogame, mais fala muito bem sobre a incivilidade que acho que é o principal problema e onde você quis chegar com seu post.. Meus parabéns pelo post e aguardo ansiosamente o próximo.

    Abraço

    http://cronicasbrasil.blogspot.com/2008/04/bullying-e-incivilidade-rosely-sayo.html

    • FrankCastle disse:

      Li o texto, acho este um assunto interessante, mas não sei porque, não gosto muito das opiniões dessa Rosely Sayão. Quando eu ouvia a Band News, sempre passava o quadro dela, mas achava meio “whatever”.

      Valeu por comentar e participar da Discussão Valdeir!

  4. Du disse:

    Obrigado Valdeir pelos elogios , dedico minhas palavras a todos os grandes amigos q me conhecem e q conheço também.
    Eu dei uma lida no texto desse link e acho q ela mandou muito bem mas, ainda tem muito para escrever em relação ao comportamento do ser humano com o proximo.pois isso é so o começo tá ligado?
    Valeu cara !
    Abraços a todos !
    E Obrigado Diegão por dar um espaço para mim em seu Blog , Valeu !

  5. Homer disse:

    Sim Du parábens ai pela coluna, ficou muito legal mesmo.
    Com relação ao consumidor pirata acho que me enquadro na segunda categoria (aquele que quer comprar original mas não tem grana). Isso porque considero os preços praticados hoje no mercado brasileiro abusivos. Enquanto lá nos EUA um jogo sai em média $30,00 (convertendo R$ 60,00) aqui sai em média R$ 300,00 por causa dos malditos impostos. É por esse motivo que a maioria dos meus jogos são baixados. Mas com certeza eu gostaria de ter jogos originais, tanto que estou tentando ressucitar meu 64 é já aiquiri 2 jogos originais(usudos) pelo mercado livre, pois os preços estavam em conta.

    VLW

  6. Nossa! Nem sabia que o Frank tinha um blog no wordpress!

    E que surpresa agradável, um post bem escrito e trabalhando bem uma questão que é tabu no Brasil… Eu compro sim jogos piratas, e acho que um pouco pelo mesmo motivo do Du, e um pouco por não ter grana também… Na verdade, eu penso: pra que gastar R$230,00 num jogo se posso aumentar minha coleção de action figures? Não sou um gamer como antigamente, mas se pudesse, e fosse mais acessível com certeza compraria! Fora que é embassado vc ir na Americanas e ver só God of War e futebol a venda… E sobre os PCs tanto é verdade que comprei Diablo 2 + expansão, amboas ORIGINAIS por R$30,00!

    AH, Frank! Estou colocando um link para seu blog no Gambiarra!

  7. Marcelo disse:

    nunca li o blog, achei sem querer na net xD

    Bem, comprar piratas não necessáriamente prejudica as empresas, uma prova é o próprio Windows, tem software mais pirateado que esse? Acho que não, no entando a Microsoft continua rica como sempre. E também, se eu quero um jogo(algum jogo caro qualquer), mas não quero pagar aquele absurdo por tal produto então eu não vou pagar tal preço, sendo assim, se o pirata sumir do mapa não significa que eu vá comprar o original, ou seja, ou eu compraria o mais barato(no caso seria o pirata), ou nao compraria.

    Antes que alguem diga que eu estaria tirando dinheiro da empresa, fique claro que não estaria fazendo isso, eu estaria se eu fosse numa loja e roubasse um original, uma vez que a empresa tenha pagado para produzir aquilo, se eu comprar um pirata, estarei comprando algo que a pessoa que me vendeu pagou para fazer a copia, logo, eu estaria apenas deixando de dar dinheiro para a empresa.

    • FrankCastle disse:

      Valeu pelo comentário, Marcelo!

      Realmente o Windows é um dos Softwares mais pirateados que existem e mesmo assim fatura muito. Mas tem um motivo: na teoria, todos deveriam usar o original, mas isso não acontece. Porém, o usuário doméstico, no máximo será presenteado com uma “estrelinha” perto do relógio. Já as empresas grandes, se forem pegas usando software piratas, levam multas pesadíssimas. E é daí que vem grande parte da renda da Microsoft.

      Pois para usar o Windows em um escritório com 10 micros, não basta comprar 1 CD do Windows e sair instalando em todas. O CD pode até ser o mesmo, mas a empresa deverá pagar 1 licença de Uso para cada micro.

      Já nos games não existe tanta fiscalização assim, mas muitas empresas de games nem tem representação no Brasil. Mas não estou aqui para julgar ninguém, respeito sua opinião. Digo que é possível se manter com jogos originais, os usados são hoje para mim a melhor opção de compra. E para PC, sempre temos jogos completos baratíssimos em revistas.

      O mal da pirataria é que todos vão se acomodando com a situação e daqui a pouco estamos pagando R$ 50,00 em jogo pirata, enquanto podemos achar um usado pelo mesmo preço! Sem contar que a qualidade (que praticamente não existe) vai caindo cada vez mais… as mídias não duram, etc.

      Me considero um pouco velho já, não tenho mais paciência de ficar me frustrando com jogos piratas que travam ou não pegam direito, portanto para não ter dor de cabeça, no meu Xbox 360 só coloco jogos originais e não irei destravá-lo.

      Um abraço!

  8. A Gamer disse:

    Vi seu blog através do seu link no meio bit e, sinceramente, vi aqui uma qualidade muito maior de texto e de discussão sobre este assunto polêmico.

    Não adianta nada fazer essa guerra de ‘so uso original’ x ‘só uso pirata’. Fica sempre uma discussão sem fundamento…
    Ao invés de todos se juntarem para fazer essa briguinha ridícula, deveriam se juntar para fazer um abaixo-assinado ou coisa parecida, pra diminuir esse imposto altíssimo de games no Brasil, etc etc…
    Bom, acho q paro por aqui, senão o coment ficará muito extenso.

    Enfim, muito bom seu texto, diz toda a verdade!
    Abraço!

  9. […] Moderna (Wikipédia) Uma Análise sobre Pirataria nos Games – Lembrando que o texto é de 2009 (mais de 2 anos) e de lá para cá muita coisa mudou. Caso […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: