Fanatismos

  

Fala aí galera! 

Acho que todos já devem ter ouvido falar da “Saga” Prepúcio Crepúsculo. Pois é, hoje estava assistindo o Debate MTV sobre este tema e decidi escrever minha opinião não somente acerca do filme, mas também de algo que vemos não só em Crepúsculo, mas também com outros filmes, livros, bandas, etc. Uma coisa chamada FANATISMO. Está preparado?  Então continue lendo! 

De tempos em tempos, há uma febre em torno de algum filme, banda, livro, ator entre outras coisas. Me lembro em 1998, quando o filme Titanic estreou no Brasil: várias adolescentes e mulheres em polvorosa, gritando e chorando pelo ator Leonardo DiCaprio. Minha irmã disse que na sessão em que assistiu o filme, tinha até mesmo gente sentada no chão!!! Gostar do filme, tudo bem. Mas pagar um ingresso para ver um filme com mais de 3 horas, sentado no chão é muito fanatismo, não? 

Nesta mesma época, estava passando nos Cinemas o filme “Spawn” (muito antes do boom dos filmes baseados em quadrinhos). Me lembro que a fila estava ENORME, mesmo assim entrei nela e esperei um pouco para ver o que iria acontecer. Quando, de repente, um funcionário do Cinema pergunta: “Quem aí vai assistir Spawn?”. Em meio a fila quilométrica, apenas eu e outro cara levantam a mão. O restante das pessoas ficam nos olhando como se fossemos alienígenas, entramos na sessão que estava bem vazia e já estava começando. TODAS as outras pessoas daquela fila, estavam ali para assistir Titanic. 

Não nego que o filme tenha sido uma grande produção, com ótimos cenários, efeitos, figurino, etc. Estou ciente da quantidade de Oscars que ele ganhou e de sua incrível bilheteria, mas justamente nesse ponto deixo uma provocação: filmes blockbusters bem feitos sempre atraem um grande público ao Cinema.  Mas acho que grande parte da bilheteria de Titanic, se devem à estas adolescentes e mulheres histéricas gritando por Leonardo DiCaprio, não era raro ouvir muitas delas dizendo que assistiram ao filme mais de 10 vezes. Some isso aos namorados, pais e mães que iam assistir “por tabela” … 

Titanic ficou muito tempo em Cartaz e quando chegou ao Home Video, locadoras como a Blockbuster (quando ainda era uma locadora física) tinham prateleiras inteiras forradas com o filme em questão. Era uma overdose sem tamanho. 

O tempo passou e, quando Leonardo DiCaprio se livrou do estigma de Jack (seu personagem em Titanic), descobrimos um ótimo ator, basta ver filmes como: “Prenda-me Se For Capaz”, “Os Infiltrados” e “Diamante de Sangue”

P.S.: Até hoje só vi a primeira parte do Titanic, nunca vi a segunda fita (na época a mídia era a Fita VHS). Depois de tanta saturação, simplesmente não sinto a menor vontade de ver este filme, a começar pela temática que não me é interessante. 

Agora, voltando ao ano de 2010, estamos em meio à uma (como diria o Lobão) “coqueluche” chamada Crepúsculo. Desde a primeira vez que vi o cartaz no Cinema, não me interessei nem um pouco. Um amigo me disse que estava interessado em ver, que era um filme de vampiro… mas com “aquela” capa, um filme de vampiro? Continuei cético e nem procurei mais informações. Passado algum tempo, todos já sabem o que isso virou, nem preciso falar muito. 

Depois de ver o programa Debate MTV, eis que chego ao ponto que quero focar neste post.  Que não é Titanic, nem Crepúsculo, mas sim o Fanatismo. O programa seguiu como sempre, com o Lobão colocando lenha na fogueira dos dois lados, mas nem ele próprio se conteve e deixou claro o que achava sobre o filme. O interessante é ver como as pessoas que defendem o filme, agem de forma muito emotiva e começam a lançar ataques pessoais aos que discordam. Cito o exemplo de Maurício Saldanha, que atacou Felipe Neto. Enquanto Felipe estava a fazer comentários e críticas voltadas ao filme, Maurício acabou atacando Felipe, questionando sobre a banda da qual estava vestindo a camisa (Beatles que, aliás, não gosto). Isso geralmente é definido como a falácia “Ad Hominem”, que nada mais é que o ataque ao argumentador e não ao argumento. E é isso que sempre vejo nas pessoas fanáticas. 

* Deixo claro que admiro (pelo menos “um lado”) do Maurício Saldanha, graças a este cara pude conhecer excelentes filmes como “Magnólia” e “Sunshine – Alerta Solar”, este último já virou um dos meus favoritos no gênero Ficção Científica! 

Não sou contra as pessoas curtirem esse tipo de filme. Mas acho algo meio alienante você assistir 20 vezes um filme num curto espaço de tempo, enquanto existem muitos outros para se assistir, até mesmo na mesma linha ou temática. A mesma coisa com o livro, é legal ler,  é enriquecedor, mas tem gente que só se prende, por exemplo, a ficar lendo “Harry Potter” várias e várias vezes. 

Se sou um “outsider”, subversivo? Sim. Mas a questão não é querer ser “do contra”. Apenas acho interessante sair deste trilho de modismos que somos colocados e começar a descobrir coisas por nós mesmos. Se você gosta de Crepúsculo de verdade, não tenho nada contra você.  Mas tenha personalidade: “goste” porque você realmente acha legal e não por falta de opção, não porque é isso que está na moda, não para ser aceito na sociedade. 

E para finalizar, não tome como ofensa quando alguém falar mal ou desrespeitar algo que você gosta. Você pode discordar e tentar argumentar, mas é irracional começar a xingar a pessoa, pois ela não fez isso com você. Se você levar por esse lado, estará sendo só mais um fanático. 

A minha visão sempre é: “Devemos RESPEITAR as PESSOAS,  não necessariamente aquilo que elas GOSTAM ou ACREDITAM” 

P.S.: Agora se tem um Fanático legal, é esse aqui ó: 

 

Um abraço à todos e até a próxima! 

  


 

Links:
Debate MTV
Videocast Cinema em Cena: A Saga Crepúsculo – Eclipse

2 respostas para Fanatismos

  1. Homer disse:

    Sim lembrando do caso de Titanic tinha uma menina na minha classe que assistiu 17 vezes no cinema. Com relação ao fanatismo, tem um ditado que eu gosto de lembrar , que é o seguinte: tudo de mais é prejudicial. É claro que tem coisas que gostamos muito, a ponto de fazer loucuras pra conseguir determinado objetivo, mas na minha modesta opinião vc tem que correr atrás do que vc realmente gosta, e não do modismo que a mídia dita.

  2. Rodrigo Candido disse:

    O fanatismo é como uma droga pesada, que faz o individuo viver outra realidade em que apenas as idéias propagadas por sua area de interesse levam a verdade. Como se existisse uma verdade absoluta…

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: